MAR DOS AÇORES EM SÉRIE DA RTP

Imagem da página do Facebook «Mar, a Última Fronteira»



SOCIEDADE É apresentado amanhã na Horta, em antestreia, o quarto episódio, intitulado «Açores, ilha Terceira e ilha de Santa Maria», de uma série de seis, sobre a biodiversidade do mar português

SEG. 2 DEZ. 2019 Esta série documental é uma produção da Rádio e Televisão e Portugal (RTP), denominada ​​«Mar, a Última Fronteira» e relata as experiências de um grupo de mergulhadores que exploraram o mar de Portugal, numa parceria com a Fundação Oceano Azul e o Oceanário de Lisboa.

A série é transmitida, desde 23 de novembro de 2019, ao sábado, pelas 10 horas, na RTP1.

​Trata-se de um trabalho​​ ​dedicad​o ​«​à biodiversidade do mar português e às áreas marinhas mais pr​ístinas da costa de Portugal, incluindo os Arquipélagos da Madeira e dos Açores​», refere uma nota de divulgação do projeto​.

​A apresentação do quarto episódio​ ​​realiza-se na Biblioteca João José da Graça, às 18h30, numa sessão organizada pelo realizador, Associação Regional de Turismo Açores​ (ARTA)​, Direção Regional dos Assuntos do Mar​ (DRAM)​ e Observatório do Mar dos Açores​ (OMA)​.

​No episódio ​que será exibido amanhã na Horta ​​o espetador ​mergulha «​no topo de um vulcão submarino que foi outrora a décima ilha dos Açores, o banco D. João de Castro​», revela uma nota informativa sobre a antestreia​. ​Nesta expedição ​será também dada a conhecer, ​«​no extremo sul dos Açores, a vida secreta das Jamantas, na ilha de Santa Maria e um dos locais mais remotos e intocados de Portugal, a reserva natural dos ilhéus das Formigas​», adianta o texto.​

​Este projeto​ da RTP​ foi realizado pelo fotógrafo e cineasta subaquático Nuno Sá, ​que amanhã estará presente na apresentação do documentário, que ​​mostra ​«o mar de Portugal, através de imagens únicas e exclusivas, como a descida num submarino a 1000 metros de profundidade nos Açores, os encontros com o maior animal do planeta, a baleia-azul, mergulhos frente-a-frente com a foca-monge, um dos mamíferos marinhos mais raros do mundo, ou ​'​conversas​'​ entre os velozes tubarões-azuis​», explica a nota informativa.​

Nuno Sá​, que já obteve vários prémios internacionais​ e a sua equipa de mergulhadores percorreram, ao longo de 18 meses, mais de 1​.​600 milhas náuticas, mergulharam durante centenas de horas, realizaram mais de 100 mergulhos, falaram com investigadores, arqueólogos subaquáticos e muitos entusiastas do mar, sempre à descoberta dos melhores sítios para captarem imagens inesquecíveis​​​, especifica o texto de promoção do evento.​

«Esta série surgiu da necessidade de mostrar aos portugueses que temos no nosso mar uma riqueza de biodiversidade única a nível mundial. Mergulhámos ao longo da costa de Portugal Continental, de Olhão a Matosinhos, percorremos todas as ilhas do​s​ Arquipélago​s​ dos Açores e da Madeira, incluindo as ilhas Selvagens, para mostrarmos a vida marinha que habita nas nossas águas»​,​ afirma ​o realizador ​Nuno Sá​, a propósito deste documentário ​.​

Tiago Pitta e Cunha, um dos responsáveis da Fundação Oceano Azul e do Oceanário de Lisboa, ​parceiros do projeto, diz​ que «os portugueses descobriram recentemente a dimensão do mar português, mas são poucos aqueles que têm o privilégio de o conhecer verdadeiramente​»​. ​E acrescenta: «Com esta série damos a conhecer, pela primeira vez, o que se passa naquela que é a maior Z​ona ​E​conómica ​E​xclusiva​ da União Europeia: o Mar de Portugal.»

Gonçalo Reis, ​presidente do Conselho de Administração da RTP, ​sublinha, por seu lado, ​​que «esta série é mais um exemplo de uma aposta estruturada da RTP na produção de documentários, divulgando a riqueza e diversidade do nosso país, neste caso sobre a natureza e o mar​»​.

Sem comentários:

Enviar um comentário