FAIAL ACORDA ABALADO

SOCIEDADE | Um sismo abalou hoje o Faial já perto do raiar do dia e foi sentido também no Pico e em São Jorge. Seguiu-se uma série de réplicas não sentidas

Nas freguesias do Capelo e Castelo Branco [na fotografia, de Souto Gonçalves] e Feteira o sismo atingiu o grau IV/V da Escala de Mercalli Modificada



TERÇA-FEIRA, 5 DE NOVEMBRO DE 2019 | O tema de conversa na manhã de hoje nos espaços públicos da cidade da Horta era o abalo de terra que sobressaltou a população às 6h22 (hora local).

Nos cafés, superfícies comerciais, ruas da cidade, a pergunta repetia-se: Sentiste? E depois seguiam-se as descrições sobre como cada qual foi surpreendido pelo sismo.

Também houve quem de nada se apercebesse por se encontrar a dormir e os que acordaram com o tremor de terra.

Levantei-me assustado, diziam alguns; as louças tilintaram nos armários, atalhavam outros; aquela zoada é que me agoniou, explicavam ainda outros.

Apesar de habituados a estes sobressaltos, os faialenses não deixam de ficar intranquilos, pois quando a natureza ameaça é prudente levá-la a sério.

GRAU IV/V

Toda a ilha do Faial sentiu o sismo, que corresponde a um pico de um período de maior intensidade que se vem verificando na habitual zona de instabilidade sísmica fora dos Capelinhos (cerca de 30 kms).

Segundo o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) o sismo foi registado com magnitude 4,4 (Escala de Richter) e epicentro a cerca de 26 km a oésnoroeste do Capelo, ilha do Faial.

O evento atingiu a intensidade máxima IV/V (Escala de Mercalli Modificada) no Capelo, Castelo Branco e Feteira; intensidade IV na Praia do Norte, Cedros, Salão, Ribeirinha, Conceição, Matriz, Angústias e Flamengos e intensidade III/IV em Pedro Miguel e Praia do Almoxarife.

No Pico, intensidade III/IV em São João e Lajes; intensidade III na Candelária, São Mateus, São Caetano, Santo António, São Roque e Prainha do Norte.

Em São Jorge a intensidade foi de grau III nos Rosais e Santo Amaro.

Após o sismo das 6h22 já foram registadas mais 24 réplicas, a última dos quais às 14h44 (hora local), hora a que esta notícia foi elaborada. Até à hora em que se verificou o maior sismo a zona epicentral em causa encontrava-se, há vários dias, com atividade frequente, superior a 3 dezenas de sismos desde o dia 3 de novembro.

Estes eventos sísmicos não têm ultrapassado o grau 3 (Escala de Richter), razão pela qual não têm sido sentidos.

Recorde-se que a Escala de Richter mede a magnitude do sismo no seu epicentro, enquanto a Escala de Mercalli Modificada avalia a intensidade dos efeitos, ou seja, um sismo de grande magnitude no meio do mar não provocará estragos em terra, enquanto um sismo de intensidade relativamente pequena, ocorrendo numa zona habitacional, por exemplo, provocará, certamente, alguns danos.

Uma alta frequência de sismos, nomeadamente mais do que um por hora, é uma situação reportada ciclicamente a oeste do Faial, zona que, como foi referido, apresenta instabilidade sísmica de vez em quando.

Sem comentários:

Enviar um comentário